MENSAGEM

"NENHUM DE NÓS É TÃO BOM QUANTO TODOS NÓS JUNTOS!"
Ray Kroc

16 de nov de 2011

ARCOS DA LAPA E A CIDADE

Utilizando cartazes que mostram a evolução do bairro da Lapa, de 1758 a 1991, fizemos um mural para que as crianças percebessem como a cidade muda com o passar do  tempo. Para crianças pequenas é preciso na maioria das vezes mostrar gravuras e chamar atenção para pontos significativos para que eles percebam como  a vida cresceu ao redor de um ponto da cidade, como passou do cavalo para as carrugens, depois para os carros e bondes; as contruções antes sem prédios, agora com muitos prédios, etc. As gravuras mostram a evolução da vida na cidade tendo como referência os Arcos da Lapa e nos foi gentilmente doado pela nossa ex-professora de artes plásticas Elizabeth Guerra. Nosso muito obrigada, prof. Beth!

Depois segue o texto explicativo sobre o bairro, tirado do site armazenzinho, uma das grandes fontes de consulta para o nosso trabalho deste ano, com o Projeto Pedagógico Anual Sou Carioca de Coração.






A LAPA
Localizado no Centro da cidade, o bairro da Lapa abriga os centenários Arcos da Lapa, o Passeio Público, a Escola Nacional de Música e a Igreja de N. Sra. da Lapa, verdadeiros ícones do Rio Antigo.

Símbolo da boemia carioca na primeira metade do século XX, a Lapa volta a ganhar centralidade na noite carioca a partir da década de 1980. Hoje, é um dos principais pontos de referência da vida noturna da cidade. Nas ruas Mém de Sá, Riachuelo, Lavradio e demais ruas no entorno do Largo da Lapa, restaurantes e bares com música ao vivo, casas de espetáculo e casas de concerto de música de câmera tornam a Lapa um dos mais importantes e diversificados pólos culturais da cidade.

OS ARCOS
O abastecimento de água sempre foi um problema na cidade do Rio de Janeiro. Foi resolvido o problema do abastecimento de água, quando Ayres de Saldanha, que governou de 1719 a 1725, construiu o primeiro aqueduto. A água era captada na nascente do rio Carioca, nas Paineiras, e através do Caminho dos Arcos Velhos, atuais Arcos da Lapa, chegava até o centro. Depois era distribuída para a população, por um chafariz, com grande quantidade de bicas, localizado no Campo de Santo Antonio, hoje Largo da Carioca. O último dos governadores, Gomes Freire de Andrada, o conde de Bobadela, que administrou a Cidade por 30 anos ininterruptos, de 1733 a 1763, deu, ao meio urbano carioca, uma feição digna da futura Capital do Vice-Reino. Entre suas realizações, destacam-se: a ampliação do Aqueduto da Carioca; a implantação de um segundo chafariz no cais do Largo do Paço, ampliando o sistema de abastecimento d´água.
Os dados acima foram retirados de  http://portalgeo.rio.rj.gov.br/armazenzinho/web/
 
 

Um comentário:

  1. Eu sou apaixonada por esses quadros. Vi num cartório na cidade a sequencia deles e fiquei encantada! Lindo mesmo! Amo o Rio Antigo! Parabéns pela postagens.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário aqui: